Resenha de Egozentrizität und Mystik: eine anthropologische Studie, de Ernst Tugendhat

TUGENDHAT, Ernst. Egozentrizität und Mystik: eine anthropologische Studie. C. H. Beck Verlag: München, 2003.


Danilo Persch (Doutorando em Filosofia – UFSCar – São Carlos – SP; Orientador: Profº. Dr. Wolfgang L. Maar)


© – PROIBIDA PUBLICAÇÃO SEM CONSENTIMENTO DO AUTOR – ©


1.1 – Sobre o autor


Considerado, atualmente, uma das figuras mais representativas da filosofia alemã, Ernst Tugendhat nasceu em Bünn – Tchecoslováquia – em 08 de março de 1930. Sua bibliografia geral apresenta-nos uma sucessão de estudos sobre autores e temas fundamentais da tradição filosófica em forma de interpretação e comentários críticos. Por isso, a compreensão dos textos de Tugendhat requer uma certa familiaridade com Aristóteles, Husserl e Heidegger, como também de Frege, Wittgenstein, Strawson, Kant, Habermas e outros. Tugendhat nunca relata simplesmente o que os filósofos dizem, mas os contrasta uns com os outros num movimento de ida e volta, o que, por sua vez, proporciona um profundo alcance filosófico das suas teorias. Quando ele fala de um clássico, não é simplesmente para resumi- lo, mas para expor um novo viés a uma teoria já elucidada. A evolução de seu pensamento fez-se por etapas e sua filosofia pode ser dividida em três distintas fases: fenomenológica (ontologia), analítica (lingüística) e ética. Seus trabalhos mais citados são: Der Wahrheitsbegriff bei Husserl und Heidegger. Berlin: Walter de Gruyter & Co., 1967; Vorlesungen zur Einführung in die sprachanalytische Philosophie. Frankfurt a/Main: Suhrkamp, 1976. (Lições introdutórias à filosofia analítica da linguagem. Trad. Mario Fleig (org.) et al. Primeira Parte. Primeira Versão. Ijuí: UNIJUÍ, 1992); Selbstbewußtsein und Selbstbestimmng: Sprachanalytische Interpretationen. Frankfurt a/Main: Suhrkamp, 1979. (Autoconciencia Y Autodeterminación: Una interpretación lingüístico-analítica. Trad. de Rosa Helena Santos-Ihlau. Madrid: Fondo de Cultura Económica, 1993);Vorlesungen über Ethik. 3. Aufl. Frankfurt a/Main: Suhrkamp, 1993. (Lições sobre ética. Trad. Ernildo Stein et al. Petrópolis: Vozes, 1997); Diálogo em Letícia. Trad. Maria Clara Dias, Ana de Rezende. Col. Filosofia – 133. Porto Alegre: Edipucrs, 2002. Em maio e junho de 2001 Tugendhat proferiu conferências em várias Universidades do Brasil: Goiânia, Brasília, Natal, João Pessoa, Salvador, Porto Alegre, Canoas, São Leopoldo, Santa Maria, Ijuí e Rio de Janeiro. Estas conferências – num total de cinco – foram traduzidas e editadas. (TUGENDHAT, Ernst. Não somos de arame rígido: conferências apresentadas no Brasil em 2001. Organizado por Valério Rohden. Canoas: ULBRA, 2002. 112 p. (Série Filosofia; 1). Estas conferências atestam que Tugendhat continua redefinindo seus pontos de vista como em ocasiões anteriores, objetivando sempre a maior clareza conceitual possível. Atualmente Tugendhat faz parte do corpo docente visitante do programa de pós-graduação em filosofia da PUCRS. Em abril e maio de 2003, ele ministrou nesta universidade, em forma de seminário, a disciplina Conhecimento e linguagem: o livro azul de Wittgenstein.


1.2 – Egocentricidade e mística: um estudo antropológico


Kant, nos anos de 1770, ocasião em que trabalhou como professor na Universidade de Königsberg , formulou e buscou respostas para quatro perguntas fundamentais: 1) o que eu posso saber?; 2) o que eu devo fazer?; 3) o que eu posso esperar?; 4) o que é o homem?


Posteriormente, estas quatro perguntas reaparecem na Lógica, obra organizada e editada por seu aluno Jäsche em 1800. A cada uma destas perguntas foi agregada uma área de conhecimento. À primeira corresponde a metafísica, à segunda a moral, à terceira a religião e finalmente a antropologia. Esta última (antropologia), na prática, tem a ver com a forma que os indivíduos dão a si mesmos. Portanto, está relacionada com o que cada um é e, respectivamente, o que pode ser e será. A substância que possibilita esta auto determinação nos seres racionais chama-se “liberdade”.


Por que falar de Kant quando o assunto é Tugendhat? Porque penso que em seu novo livro –Egozentrizität und Mystik – Tugendhat reformula criticamente esta quarta pergunta antropológica de Kant. O que é o homem? passa a ser: como devemos nos entender enquanto seres humanos? O diferencial da pergunta de Kant para a pergunta de Tugendhat consiste na passagem do “o que” para o “como”. Na busca de respostas para perguntas antropológicas do tipo: o que significa a relação ou o comportamento do “eu” comigo mesmo? Como se diferencia a relação do ser humano consigo mesmo em relação à egocentricidade das outras espécies?, Tugendhat parte para a defesa de que há conhecimentos racionais que dão conta destas problemáticas, se diferenciando, portanto, do tradicionalismo, que analisa este tipo de questões antropológicas somente enquanto “história da antropologia”. Na introdução, o autor explica por que fala tanto em “eu” e menos em “nós” ou das “pessoas”. Ele diz que não podemos de antemão dizer “eu”, mas o que interessa nesta análise são certas qualidades específicas da espécie humana, e nós temos tais qualidades porque falamos uma linguagem proposicional. E é somente pelo fato de usarmos uma linguagem proposicional que podemos dizer “eu”. Mesmo sendo correto, nas reflexões filosóficas e na forma como nos entendemos, falar na primeira pessoa, Tugendhat pensa ser importante nunca perder de vista o contraste que existe entre humanos com outras espécies. Dessa forma, ser pessoa significa agir e viver significa decidir. Em contraposição aos animais que têm comportamentos instintivos, e as plantas que apenas se desenvolvem, o ser humano age. Ele é o autor das suas ações, portanto, é também responsável por seus atos. Querendo ou não, cada indivíduo é obrigado a tomar decisões. Até mesmo o fato de, em certos casos, não tomar decisão alguma (neutralidade), já é uma decisão. A pergunta fundamental que aí está em jogo é: quais ações ou qual decisões são certas ou erradas?


Em seu livro, Tugendhat trabalha as questões antropológicas com base no método da filosofia analítica. A linguagem humana, por causa da estrutura e do uso de fundamentos, permite o entendimento. O que caracteriza os fundamentos da linguagem são afirmações, negações e, inclusive – como foi exposto no parágrafo anterior – a não tomada de qualquer posição, ou seja, a neutralidade. A capacidade de reflexionar, de perguntar sobre os fundamentos e contra fundamentos, é o que pode ser denominado ou entendido como racionalidade. Esta racionalidade é também considerado como o que é certo, e por isso também como o que é bom. É o que podemos entender como razão prática. Portanto, vista desta forma, a linguagem exerce um papel importante na vida do ser humano.


Uma filosofia antropológica parte normalmente de um fundamento fenomenológico. Para Tugendhat este fundamento é a estrutura predicativa da linguagem humana. Mas o que é discutido em seu livro são fenômenos do comportamento humano tais como: egoísmo, altruísmo, responsabilidade, imputabilidade, consciência da morte, a necessidade de agir conforme o que é bom e a dependência de si próprio sobre o reconhecimento e legitimação de valores ou princípios morais. Nesta perspectiva, o livro trata da relação da razão – por meio da qual o homem aspira ao que é bom – e a questão da autonomia que está relacionado ao que o autor entende por “Egozentrizität”. Esta egocentricidade é algo individual, mas que se realiza racionalmente na convivência com outros. O “eu” pode ser entendido como o fenômeno por meio do qual cada indivíduo consegue objetivar suas opiniões, desejos, sentimentos e intenções. Mas Tugendhat não perde de vista a “liberdade”. Neste processo de auto- determinação, ela é a condição prévia para cada indivíduo poder direcionar seu agir tendo em vista o que é considerado bom pela comunidade ou grupo ao qual pertence. Praticar (viver) esse “eu”, não significa renunciar a pluralidade, o diverso, o coletivo, etc, mas é um compromisso de cada um integrar o diferente numa “unidade”. Portanto, o autor acredita ser possível a existência de comunidades onde indivíduos têm autonomia para direcionar seu agir tendo em vista o que é considerado “bom” por todos. Para trabalhar esse “eu”, Tugendhat não recorre às teorias já apresentadas (por exemplo, de Descartes até Husserl). O “eu” é, em Tugendhat, um fenômeno por meio do qual o indivíduo, mediante sua capacidade, consegue objetivar por si mesmo suas opiniões, desejos, intenções e sentimentos. Mediante esta concepção, “liberdade” significa ter autonomia para agir de uma forma ou de outra. Portanto, a “egocentricidade” faz parte do nosso modo se ser, da forma como agimos.

Nestas reflexões, percebe-se uma relação entre “o eu, a liberdade e o bom”, que coloca a vida humana entre dois pólos: por uma lado existe a pluralidade, ou seja, diversas culturas, opiniões, modos de ser e viver, mas, por outro lado, existe a possibilidade da união. Conforme Tugendhat as respostas tradicionais em busca de uma unidade (união) são a religião e a mística e aponta, a partir daí, para a necessidade de integrar a religião e a mística na auto conduta do ser humano. Ele entende a mística como um recuo da nossa própria egocentricidade, o que tem relação com o Budismo na questão do sentir junto com os outros. Quando o autor comenta sobre mística ele cita basicamente as doutrinas do Taoísmo e do Budismo. Dessa forma, a mística judaico- cristã aparece muito pouco no texto. De qualquer forma, o importante é que a religião e a mística são interpretadas com um novo sentido, ou seja, as reflexões consideram o exterior (os outros, o mundo), portanto, não podem ser interpretadas de forma isolada. A partir do diagnóstico da dualidade existente nos seres humanos entre o aspecto “egocêntrico” e a concepção do “coletivo”, a mística aparece como uma alternativa para o aspecto coletivo e conseqüentemente também para o “ser pessoa”. Pelo fato de serem racionais, os humanos se projetam visando alcançar fins, e estes muitas vezes são transformados em objetos de preocupações e sofrimentos. Como estes objetos são permanentes em nossa vida, originam-se daí a mística e a religião como forma de regular nossas ações e, ao mesmo tempo, permitir uma melhor auto compreensão. O autor diz haver somente duas possibilidades pelas quais é possível uma união: “podemos nos entendermos ou sobre algo que é deste mundo (uma outra pessoa; uma comunidade; uma coisa) ou simplesmente sobre nós mesmos”. Na forma como Tugendhat entende o ser humano e seu agir, é notória a conexão entre linguagem e a capacidade do sujeito se determinar, ele próprio, ao que é considerado “bom”. Com isso Tugendhat produz um valor próprio ao fato, ou seja, ao agir humano corresponde sempre a dúvida e a preocupação sobre se o feito (a ação) corresponde ao que é considerado “bom” ou “ruim”. Se um indivíduo, capaz de desenvolver uma consciência moral, e pertencente a uma comunidade moral, não age conforme o que é considerado “bom” por esta comunidade, sentir-se-á indignado ou culpado. Esta questão dos sentimentos morais, Tugendhat analisa mais detalhadamente em seus trabalhos sobre ética: Lições sobre éticaDiálogo em Letícia. Enfim, a tese deste recente livro, em resumo, poderia ser: somente pode-se dizer “eu”, porque tem-se consciência de outros e do mundo, e isso tem como conseqüência que as pessoas vivem constantemente um dilema: por um lado nos consideramos absolutamente importantes, mas esta egocentricidade também nos faz perceber a existência dos outros e do mundo, fato que gera desconforto ao nosso existir. O livro é dividido em duas partes. Inicialmente, na parte mais extensa, Tugendhat expõe o que fundamenta todo seu trabalho. Como aí ele aponta para aspectos da linguagem e da ética dos humanos, e para uma melhor compreensão destes cinco capítulos, é importante um prévio estudo de alguns textos anteriores do autor tais como: Lições introdutórias à filosofia analítica da linguagemLições sobre ética;Diálogo em LetíciaNão somos de arame rígido: conferências apresentadas no Brasil em 2001. Os aspectos da religião e da mística aparecem mais explícitos na segunda parte. Por fim, aparece um apêndice sobre histórico e a-histórico (Anhang über Historisches und Unhistorisches). Este texto é interessante pois aí se percebe a ousadia do projeto do autor. No entanto, com este final, o leitor não pode iniciar a leitura do livro pensando na separação das duas partes do texto geral. Para o desdobramento destas teorias o autor se sustenta, principalmente, em Wittgenstein e Heidegger. Nesta perspectiva, este recente trabalho pode ser considerado como um avanço de alguns pontos já trabalhados em textos anteriores, mas não é um avanço repetitivo. Chegando no final da leitura do texto, não se sabe ao certo se este trabalho de Tugendhat é um estudo histórico filosófico ou um estudo histórico religioso. Na minha opinião, durante o texto em geral, o autor dispensa mais atenção ao aspecto religioso. Mas parece-me que mais para o final, as perguntas sobre o ser (antropológicas), levantadas no início, são discutidas de forma mais filosófica que religiosa. Enfim, por causa do resgate e debate de várias teorias controversas, quem lerá o livro, estará fazendo uma interessante leitura de filosofia. Assim termina o livro de Tugendaht: “O universo das pessoas vai tão longe quanto o entendimento, e isso significa (nisto eu me diferencio de Gadamer), o entendimento de justificações. O que isso significa interiormente, pode e deve ser corrigido empiricamente, mas tais correções implicam, que aquilo que nós temos em vista, sempre foi uma representação geral(universal)”.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: